CINEMA | CONTATO | deutsch | INICIO
cinebrasil
CINEBRASIL
Cinebrasil
Cinebrasil Cinebrasil Cinebrasil Cinebrasil

2011/2012:

CINEBRASIL

PROGRAMAÇÃO | FLYER

CARTAZ

IMPRENSA / IMAGENS

Cinebrasil

7° Mostra de Cinema Brasileiro
CINEBRASIL

Caros amigos,

estamos chegando ao sétimo ano da cinebrasil, quem diria que chegaríamos a tão longe. Seguindo os nossos critérios, a Mostra continua com uma pequena mas, significante seleção de filmes, que segundo a nossa escolha representa os diferentes segmentos das regiões brasileiras, constituindo a nossa diversidade.

... PROGRAMAÇÃO

... SINOPSES DOS FILMES

... TRAILER

Com o apoio dos produtores e realizadores amigos, conseguimos selecionar filmes que vem acumulando várias participações e premios em festivais de grande porte.

Temos o premiadíssimo Mutum da Sandra Gogut, uma comovente adaptação da literatura de Guimarães Rosa, representando o sertão brasileiro.

Bróder de Jefferson De, criador do Dogma Cinema Feijoada, é o primeiro longa metragem do diretor e retrata o reencontro de três amigos de infância, em uma Favela de São Paulo. Apesar dos destinos completamente diferentes e em um clima cercado de tensão demonstram nestre reencontro o companheirismo que a diferença social ainda não os separou.

João Jardim nos relata em seu premiado documentário Pro dia Nascer Feliz, o que pensam crianças, adolescentes e seus professores sobre sua escola, sua família e suas relações, em diferentes regiões do Brasil.

O Sol Do Meio Dia, de Eliane Caffé, filmado no curso do Rio Amazonas. Nos apresenta três personagens dotados de uma grande capacidade de recuperação em busca de uma nova vida. Artur (Luis Carlos Vasconcelos, também em Mutum), Mutuim (Chico Dias, Praça Saens Peña) e Ciara ( Claudia Assunção) se aventuram em uma embarcação, rumo a Belém. Apesar do extremo contraste entre ambos, compartilham várias situacões que os transforman cada vez mais em amigos inseparáveis.

5 X Favela criado nas oficinas de cinema da Favela do Vidigal no Rio de Janeiro, expõem em 5 episódios como os moradores cineastas retratam a sua rotina. E um filme sobre situações líricas e alegres, mas que não escondem a violência diária a que são submetidos e em alguns casos até mesmo criadas pelos próprios moradores dessas comunidades.

Apesar de ao final de cada turnée, recebermos críticas positivas em relação á Cinebrasil, espero sempre que o programa não decepcione o nosso público fiel e que todos saiam das seções refletindo um pouco mais sobre o nosso Brasil.

A cada ano a luta para produzir esse trabalho se repete e não seria possível alcançar-mos tamanho sucesso sem o empenho dos organizadores locais.

Não poderei deixar de mencionar o fundamental apoio da Embaixada do Brasil –Berlim e da Divisão do Audio Visual do MRE, que apesar de todas as restrições orçamentárias desse difícil ano de novo governo me permitiu manter esse sonho, que é levar ao maior número possível de expectadores a minha grande paixão, o cinema brasileiro.

Meu muito obrigado á todos os amigos da Cinebrasil.

Sidney Martins

 

Sinopses

Broder |

Pro Dia Nascer Feliz | Für einen glücklichen Tag
|

O sol do meio dia | Mittagssonne
|

Mutum
|

5 x Favela, Agora Por Nós Mesmos

cinebrasil

Bróder

Drama | Brasil 2010 | 92 min.

Direção: Jeferson De
Roteiro: Jeferson De, Newton Cannito
Elenco principal: Caio Blat, Jonathan Haagensen, Silvio Guindane, Zezé Motta, Cintia Rosa, Ailton Garcia, Cássia Kiss

O filme traz como protagonista o ator Caio Blat no papel de Macu, jovem que vive no Capão Redondo, bairro da periferia de São Paulo, quarta maior cidade do mundo. O cenário é caracterizado fortemente por aspectos contrastantes, como a violência urbana e um intenso movimento cultural, em meio à luta diária de milhares de pessoas que buscam vencer na vida. Esse é o universo de Macu e o local de um reencontro de três amigos de infância.

Macu, Jaiminho (Jonathan Haagensen) e Pibe (Sílvio Guindane) seguiram caminhos bem diferentes. Jaiminho conquistou sucesso, fama e dinheiro ao tornar-se jogador de futebol. Pibe trabalha duro como corretor de seguros para se manter. Por sua vez, Macu acabou trilhando caminhos obscuros. A reunião entre eles, proporcionada por uma festa surpresa de aniversário, é o ponto de partida da narrativa. Uma situação aparentemente simples ganha contornos envolventes e tem sua carga de emoção ampliada quando um mix de conflitos gerados por situações mal resolvidas no passado se encontra com um dilema de vida ou morte no presente. Além disso, cada um dos três personagens centrais simboliza um caminho para os milhões de jovens que vivem na periferia de São Paulo. Por meio do seu dom, Jaiminho representa o milagre que proporciona uma virada na vida. Pibe trilha o caminho da luta cotidiana contra as adversidades. Por sua vez, Macu seguiu para a marginalidade.

Site: http://broderofilme.com.br

Cinebrasil

Sobre o diretor: Jeferson De

Jeferson Rodrigues de Rezende (“Jeferson De”) nasceu em Taubaté (SP). Ele estudou cinema na Universidade de São Paulo, onde desenvolveu importante pesquisa sobre os diretores cinematográficos negros do Brasil. O estudo originou o manifesto “Dogma Feijoada”, uma análise histórica sobre a produção audiovisual dos negros brasileiros, publicada em 2000, durante o Festival Internacional de Curtas-metragens de São Paulo. Em 2005, o levantamento seria transformado no livro “Dogma Feijoada e o Cinema Negro Brasileiro“”. Jeferson De estreia em longas-metragens com Bróder!, após ter sido bem sucedido na produção de curtas-metragens como “Gênesis 22” (1999), “Distraída Para a Morte” (2001), além dos premiados “Carolina” (2003) e “Narciso Rap” (2004).

> inicío


 

Cinebrasil

Pro dia nascer feliz

Documentário | Brasil 2005 | 88 min.

Direção: João Jardim
Produção: Flávio R. Tambellini & João Jardim
Imagem: Gustavo Hadba
Som: Dado Villa-Lobos

Pro dia nascer feliz é um documentário sobre o que pensam crianças, adolescentes e seus professores sobre sua escola, sua fami’lia e suas relações, em diferentes regiões do Brasil. Os protagonistas são 14 meninos e meninas de 12 a 16 anos, de cinco diferentes locais do Brasil ; São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Manari – interior de Pernambuco – e Alto Paraíso de Goías, no interior do estado de Goías. O que estes personagens acham da escola em que estudam e do ensino que recebem ? Quais as dificuldades na relação com os pais ? Como são os relacionamentos afetivos que desenvolvem entre si, ficam ou namoram ? Nos misturando aos jovens protagonistas ouviremos professores e o sentimento deles sobre a realidade que cerca o ensino e o mundo do adolescente, no Brasil. Vamos abordar diferentes classes sociais; será personagem tanto o menino criado em fam’lia paulista de classe média quanto o garoto com 7 irmãos, no interior do nordeste. A essência do filme será o contraste entre as diferentes realidades e opiniões. O filme também vai buscar o lúdico no mundo da criança e do adolescente. O que o menino faz, que o adulto não faz, que encanta o mundo. O que é o
belo e o que é sonho dentro destes
corações?

Sobre o diretor: João Jardim

Seu primeiro trabalho como diretor de longa metragem foi o documentário Janela da Alma. Um filme sobre as diferentes formas de Olhar. Com depoimentos do escritor José Saramago,do cineasta Wim Wenders e do músico Hermeto Pascoal. Janela da Alma alcanou um público de 135.000 espectadores no cinema, um recorde para documentários. E foi exibido para outros 15.000 alunos no circuito universitário BR em Movimento. Podemos ressaltar os seguintes prêmios que o filme recebeu.

> inicío



>
> Cinebrasil

O sol do meio dia

Drama | Brasil 2009 | 106 min.

Direção: Eliane Caffé
Roteiro: Luiz Alberto und Eliane Caffé
Produção: Van Fresnot
Elenco principal: Luiz Carlos Vasconcelos, Chico Diaz, Cláudia Assunção, Ary Fontoura

Após o trágico desenlace de um crime passional, Artur parte das profundezas do Brasil para uma viagem em busca de sua redenção. No início da jornada ele conhece e une-se a Matuim, dono de uma velha embarcação, cuja alma burlesca e anárquica contrasta com a sua criando uma amizade de situações tensas e cômicas. A viagem rio abaixo termina de forma abrupta e ambos seguem juntos por terra. É quando surge Ciara, uma mulher que parte também do seu destino de origem indo em direção a cidade de Belém. Agora, as três trajetórias se unem num triangulo amoroso que trás a tona o “fantasma” do crime passional e também os segredos e conflitos de cada um deles.

O FILME SEGUNDO A DIRETORA ELIANE CAFFÉ

Num primeiro viés o filme “O Sol do Meio Dia” conta a história da trajetória de três personagens – Artur, Matuim e Ciara - que por razões diversas rompem de modo dramático com a vida afetiva dos seus habitats de origem no interior do Brasil. A partir daí, eles rumam com esperanças e ideais diferentes para uma viagem de iniciação que os unirá na cidade grande de Belém.

O primeiro movimento dramático inicia-se com Artur e refere-se ao esforço de um homem rude na tentativa de reconstruir a si próprio após o crime que desfechou de modo terrível a história de uma paixão. Estamos com “Artur” no território da tragédia. O segundo movimento pertence à Matuim – uma espécie de anti-herói cômico e bufão – que luta para sobreviver às situações que sempre o atropelam em sentido contrário ao seu desejo. Com Matuim abre-se no filme o território trágico-cômico. O terceiro e ultimo movimento pertence à Ciara – uma mulher ainda jovem que sofre a frustração por uma identidade feita à sombra da ruína moral da filha prostituta e do pai possessivo. Sua presença enfatiza o território do drama.

Em outro plano de leitura, ao longo do percurso que estes personagens realizam eles abandonam um "país" agrário e rudimentar e se inserem cada vez mais no contato com o mundo automatizado e culturalmente diverso da cidade grande. Na convivência que travam em Belém rapidamente se arma um triangulo amoroso. Neste confronto permeado de conflitos, a conquista pela redenção dos três personagens não se dará através do recalque do sentimento amoroso, mas, novamente, pelo exercício da paixão em um novo e regenerador contexto físico-imaginário. No subtexto desta trama amorosa, suas transformações acontecem justamente pelo embate de suas identidades dentro de um meio desconhecido, mas que lhes abrem novas perspectivas de ações, escolhas e afetos. Aqui é importante ressaltar que, como gênero, o filme se mostra na profundidade do drama, evitando assim, o reducionismo melodramático tão recorrente nas histórias contemporâneas do "amor-romântico".

Na criação estética para o universo ficcional, a fotografia uniu-se à direção de arte para buscar uma atmosfera poética que excluísse a intervenção dos clichês “épicos” para os cenários e paisagens já naturalmente esplendorosos da Amazônia - região onde todo o filme foi rodado. A opção pela não utilização de nenhuma trilha musical (inclusive para os créditos) é uma forma de realçar o tratamento sonoro como outra ferramenta de criação dramática muito mais ampla do que a mera descrição e suporte “naturalista” e reiterativa para as imagens.

> início




Mutum

Drama | Brasil 2007 | 95min.

Direção: Sandra Kogut
Roteiro: Rosa Ana Luiza Martins Costa e Sandra Kogut, de "Campo Geral", João Guimarães
Produção: Tambellini Filmes, Gloria Filmes
Elenco principal: Bernardo Marinho, Antônio Calloni, Carolina Ferraz, Giulia Gam

Mutum é um local isoldado do sertão de Minas Gerais, onde vivem Thiago (Thiago da Silva Mariz) e sua família. Thiago tem apenas 10 anos e, juntamente com seu irmão e único amigo Felipe (Wallison Felipe Leal Barroso), é obrigado a enxergar o nebuloso mundo do adultos.

Site: www.mutumofilme.com.br

 

> início


Cinebrasil

5 x Favela,
Agora Por Nós Mesmos

Brasil 2010 | 96 min.

Manaíra Carneio, Wagner Novais, Rodrigo Felha, Cacau Amaral, Luciano Vidigal, Cadu Barcellos und Luciana Bezerra

OS EPISÓDIOS

Fonte de Renda

Direção: Manaíra Carneiro e Wagner Novais
Argumento: Vilson Almeida de Oliveira
Roteiro: Oficina Cidadela/Cinemaneiro (Linha Amarela)
Elenco: Silvio Guindane, Gregorio Duvivier, Hugo Carvana, Dandara Guerra

Um jovem realiza o sonho de entrar para a faculdade de Direito, mas encontra dificuldades para dar conta dos gastos com livros e transporte. Ele se sente tentado a vender drogas para amigos da faculdade e, assim, conseguir o dinheiro para custear seus estudos.

Cinebrasil

Arroz com Feijão – Reis mit Bohnen

Direção: Rodrigo Felhae Cacau Amaral
Argumento: José Antonio da Silva
Roteiro: Oficina CUFA (Cidade de Deus)
Elenco: Juan Paiva, Pablo Vinicius, Flavio Bauraqui, Ruy GuerraCerto

Certo dia, o menino Wesley ouve uma confissão do seu pai: ele está cansado do cardápio da casa, sempre um prato de arroz com feijão. O menino se junta ao amigo Orelha e sai em busca de recursos para comprar um frango.


Cinebrasil

Concerto para Violino

Direção: Luciano Vidigal
Argumento: Rodrigo Cardozo da Silva
Roteiro: Oficina AfroReggae(Parada de Lucas)
Elenco: Thiago Martins, Cintia Rosa, Samuel de Assis, Feijão (Washington Rimas)

Ainda crianças, Márcia, Jota e Ademir fazem um juramento de amizade eterna. Agora adultos, Jota entrou para o tráfico de drogas e Ademir, para a polícia. O enfrentamento entre os dois pode impedir que Márcia, agora, realize seu sonho de ser violinista.

Cinebrasil

Deixa Voar

Direção: Cadu Barcellos
Argumento: Cadu Barcellos
Roteiro: Oficina Observatório de Favelas (Complexo da Maré)
Elenco: Vitor Carvalho, Joyce Lohanne, Luis Fernando, Luciano Vidigal, Marcelo MelloFlávio

Flávio deixa a pipa de um amigo cair no lado da favela dominado por uma facção rival. Mesmo sabendo que vai pisar em terreno proibido, resolve buscar a pipa.

Cinebrasil

Acende a Luz – Mach das Licht an

Direção: Luciana Bezerra
Argumento: Luciana Bezerra
Roteiro: Oficina Nós do Morro (Vidigal)
Elenco: Márcio Vito, João Carlos Artigos, Dila Guerra, Roberta Rodrigues

É véspera de Natal e o morro está sem luz há três dias. Os técnicos enviados pela companhia de luz não conseguem resolver o problema. Os moradores resolvem manter um funcionário até que a luz volte.

O Projeto

Agora Por Nós Mesmos, primeiro longa-metragem brasileiro totalmente concebido, escrito e realizado por jovens moradores de favelas, foi selecionado para o Festival de Cannes, onde teve sua pré-estreiamundial no dia 18 de maio de 2010. Formado por cinco episódios assinados por sete diretores, o filme foi exibido em caráter horsconcours,com a presença de mais de 20 pessoas da equipe e do elenco, e recebeu longos aplausos e elogios da crítica.Os episódios de 5x Favela contam histórias independentes entre si, cômicas e trágicas, capazes de refletir as múltiplas faces do cotidiano das favelas sem cair nos estereótipos violentos que costumam se perpetuar na representação da vida nas comunidades.

Os diretores

MANAÍRA CARNEIRO (Fonte de renda)

Nasceu em 1987, no Rio de Janeiro. Moradora da favela Higienópolis, na Linha Amarela, zona oeste do Rio, é a caçula dos diretores do 5x favela. Começou aos 16 anos, como estagiária na área de produção da ONG Cidadela/Cinemaneiro, que oferece cursos gratuitos de introdução ao audiovisual. Atualmente é aluna da graduação em Estudos Culturais e Mídia na Universidade Federal Fluminense (UFF), em Niterói, e do curso de roteiro da Escola de Cinema Darcy Ribeiro, no Rio. Trabalha no Centro Técnico Audiovisual, do MinC.

WAGNER NOVAIS (Fonte de renda)

Nasceu em 1983, em Cidade de Deus, zona oeste do Rio. Iniciou sua vida profissional em 2005, como produtor no projeto Cinema para Todos, do Governo do Estado do Rio. Roteirizou, dirigiu e editou diversos curtas-metragens. Em 2009, realizou o curta Tempo de criança, premiado pelo Ministério da Cultura. Atualmente cursa cinema na Universidade Estácio de Sá e direção cinematográfica na Escola de Cinema Darcy Ribeiro.

CACAU AMARAL (Arroz com feijão)

Nasceu em 1972, no Rio de Janeiro. Morador de Caxias, Baixada Fluminense, é o mais velho dos diretores. Com experiência em direção, roteiro, edição de vídeo, edição de áudio, trilha sonora e produção musical de vídeos, já ganhou vários prêmios com seus curtas-metragens. Atualmente, trabalha no desenvolvimento de dois documentários que abordam a questão da cultura negra no Brasil e é um dos diretores do programa Espelho, no Canal Brasil, apresentado pelo ator Lázaro Ramos.

RODRIGO FELHA (Arroz com feijão)

Nasceu em 1979, no Rio de Janeiro. Mora na Cidade de Deus e é graduado em direção cinematográfica pela Escola de Cinema Darcy Ribeiro. Começou sua carreira como estagiário na TV Globo, para depois trabalhar, durante sete anos, como Coordenador do Núcleo de Audiovisual na ONG Central Única das Favelas – CUFA, na Cidade de Deus. Durante esse período, teve a oportunidade de participar de várias produções para TV e documentários. Entre esses, destaca-se sua participação como diretor de fotografia do premiado Falcão -Meninos do Tráfico, dirigido por MV Bill.

LUCIANO VIDIGAL (Concerto para violino)

Nasceu em 1978, no Rio de Janeiro. Morador da favela do Vidigal, na zona sul da cidade, é ator e professor de teatro da ONG Nós do Morro. Luciano já dirigiu curtas-metragens e peças de teatro. Seu curta Neguinho e Kikafoi premiado nos festivais de São Paulo, Londrina, Rio de Janeiro e Marseille (França). Trabalhou na preparação de elenco do filme Cidade de Deus, de Fernando Meireles. Trabalhou como ator em 13 longas-metragens, entre eles Orfeu, de Carlos Diegues, O Primeiro Dia, de Walter Salles, e Proibido proibir, de Jorge Durán.

CADU BARCELOS (Deixa voar)

Nasceu em 1986, no Rio de Janeiro, e é morador do Complexo da Maré, zona norte da cidade. Desde os 17 anos, promove cursos de internet e edição em diversas ONGs. Dirigiu o curta-metragem Feira da Teixeirae o programa Crônicas das Cidades, exibido no Canal Futura. Também já participou do Corpo de Dança da Maré, no qual atuava e dançava. Coordenou o projeto Jpeg, na ONG Promundo, no qual liderava um grupo de jovens que promovia ações ligadas à saúde e à equidade de gênero.

LUCIANA BEZERRA (Acende a luz)

Nasceu em 1974, no Rio de Janeiro. Moradora da favela do Vidigal, começou a estudar teatro no grupo Nós do Morro em 1992, participando de várias montagens como atriz, figurinista, diretora, escritora e roteirista. Fez estágios nas áreas de assistência de direção e produção, pesquisa e colaboração em roteiros, e participou da pesquisa de elenco e oficina de atores para o filme Cidade de Deus. Em 2002, foi premiada pela RioFilmecom o roteiro do curta Mina de fé, que ganhou o prêmio de melhor curta no 37º Festival de Brasília e participou da mostra competitiva do Festival de Clermont-Ferrand(França), entre vários outros festivais. Atualmente coordena o Núcleo de Cinema da ONG Nós do Morro.

> início